Clarice Lispector — Viver o Hoje

“Nunca a vida foi tão atual como hoje: por um triz é o futuro. Tempo para mim significa a desagregação damatéria. O apodrecimento do que é orgânico como se o tempo tivesse como umverme dentro de um fruto e fosse roubando a este fruto toda a sua polpa. Otempo não existe. O que chamamos de tempo é o movimento de evolução das coisas,mas o tempo em si não existe. Ou existe imutável e nele nos transladamos. Otempo passa depressa demais e a vida é tão curta. Então — para que eu não sejaengolido pela voracidade das horas e pelas novidades que fazem o tempo passardepressa — eu cultivo um certo tédio. Degusto assim cada detestável minuto. Ecultivo também o vazio silêncio da eternidade da espécie. Quero viver muitos minutosnum só minuto. Quero me multiplicar para poder abranger até áreas desérticasque dão a idéia de imobilidade eterna. Na eternidade não existe o tempo. Noitee dia são contrários porque são o tempo e o tempo não se divide. De agora emdiante o tempo vai ser sempre atual. Hoje é hoje. Espanto-me ao mesmo tempodesconfiado por tanto me ser dado. E amanhã eu vou ter de novo um hoje. Há algode dor e pungência em viver o hoje. O paroxismo da mais fina e extrema nota deviolino insistente. Mas há o hábito e o hábito anestesia”. Clarice Lispector,’Um Sopro de Vida’.

“O segredo de uma velhice agradável consiste apenasna assinatura de um honroso pacto com a solidão”. Gabriel García Márquez

“Quando a velhice chegar, aceita-a, ama-a. Ela é abundante em prazeres se souberes amá-la. Os anos que vão gradualmente declinando estão entre os mais doces da vida de um homem. Mesmo quando tenhas alcançado o limite extremo dos aos, estes ainda reservam prazeres.” Sêneca

“A velhice é um estado de repouso e de liberdade no que respeita aos sentidos. Quando a violência das paixões se relaxa e o seu ardor arrefece, ficamos libertos de uma multidão de furiosos tiranos.” Platão

“Acontece com a velhice o mesmo que com a morte. Alguns enfrentam-na com indiferença, não porque tenham mais coragem do que os outros, mas porque têm menos imaginação”. Marcel Proust

“A velhice é uma tirania que proíbe, sob pena de morte, todos os prazeres da juventude”. François La Rochefoucauld

Quem possui a faculdade de ver a beleza não envelhece. Franz Kafka.

“Os velhos gostam de dar bons conselhos para se consolarem de já não estarem em estado de dar maus exemplos”. La Rochefoucauld

“Quanto mais envelhecemos, mais precisamos de ter o que fazer. Mais vale morrer do que arrastarmos na ociosidade uma velhice insípida: trabalhar é viver”. Voltaire

“Tudo o que nele existia era velho, com exceção dos olhos, que eram da cor do mar, alegres e indomáveis.” – Ernest Hemingway.

 “Com vinte anos todos têm o rosto que Deus lhes deu; com quarenta, o rosto que lhes deu a vida; e, com sessenta, o rosto que merecem.” Albert Schweitzer.

“Portanto, hipocritamente os velhos invocam a morte e criticam a velhice e a longa duração da vida: quando a morte se aproxima, ninguém quer morrer, a velhice não pesa mais.” Eurípedes

 “Os velhos são duas vezes crianças.” Aristófanes

“De todas as ruínas, a de uma mente nobre é a mais deplorável.” Sir Arthur Conan Doyle.