A vida sexual pode melhorar muito quando as preocupações cotidianas com casa e família ficam para trás.
A vida sexual pode melhorar muito quando as preocupações cotidianas com casa e família ficam para trás.
O serviço noticioso BBC Brasil produziu e o Portal UOL divulgou recentemente um artigo segundo o qual existe a crença popular de que o desejo e a atividade sexual diminuem com a idade, especialmente nas mulheres. Mas uma acadêmica da American University, de Washington, sugere que mulheres com mais de 70, 80 ou até 90 desfrutam a melhor atividade sexual de suas vidas.
Iris Krasnow, professora de Jornalismo e Estudos Femininos, entrevistou 150 mulheres entre 20 e 90 anos de idade sobre os seus segredos mais íntimos e obteve depoimentos surpreendentes e reveladores – que ela acaba de publicar no livro Sex After…: Women Share How Intimacy Changes as Life Changes (“Sexo depois dos…: Mulheres compartilham como a intimidade muda com as mudanças da vida”, em tradução livre).
Krasnow abordou o assunto de vários ângulos, indagando sobre a atividade sexual em diferentes fases da vida: depois da faculdade, da maternidade, da menopausa e da viuvez.Descobriu que as mulheres mais velhas eram mais aventureiras e mais confiantes na sua sexualidade que as jovens que estão em fase de “envolvimento” ou namoro.
Suas entrevistadas eram de diferentes idades, classes sociais, raças, culturas e religiões. Mas o fator comum é que relatos de sexo bom estavam sempre ligados ao desenvolvimento de intimidade e conexão emocional. “As pessoas pensam sobre o sexo até o momento em que morrem”, disse Iris Krasnow, em entrevista à BBC Mundo (serviço espanhol). E, de acordo com o que dizem, não estão só pensando, mas também praticando e se divertindo.
“A era da mulher de 78 anos, frágil, enrugada e seca é coisa do passado”, disse a autora. Segundo sua pesquisa, as mulheres entre 80 e 90 anos estão na faixa etária que mais cresce na população idosa, em muitos países ocidentais. “O que estamos vendo agora é não só um aumento na longevidade, mas da atividade sexual neste setor da sociedade”.
Esse crescimento da expectativa de vida se traduz por remédios mais eficazes, mais vigor, mais exercício, melhor dieta e saúde – o que resulta numa população de terceira idade mais sexual e saudável do que antes.
Igualmente arcaico, indica Krasnow, é o mito de que as mudanças fisiológicas, como a menopausa, cirurgias de câncer ou histerectomia (retirada do útero) não permitem o desenvolvimento da atividade sexual saudável.
“Uma das minhas entrevistadas fez uma histerectomia aos 30 e, depois disso, melhorou sua vida sexual”, exemplificou. “Também inclui no livro as histórias de mulheres de 90 que estão iniciando relacionamentos”.
Segundo a especialista em Estudos Femininos, a alegada incapacidade das mulheres permanecerem sexualmente ativas na velhice é um mito perpetuado por homens mais velhos que querem reafirmar sua juventude e, com a ajuda de Viagra, buscam relacionamentos com mulheres mais novas.
Embora não seja necessariamente defensora do uso de medicamentos, que podem ter efeitos colaterais graves, a acadêmica argumenta que hoje há acesso a uma gama de opções de tratamentos, desde os hormonais e lubrificantes aos antidepressivos, que podem devolver o entusiasmo e a capacidade de desfrutar do sexo.
Saúde e aparência Iris Krasnow divide as mulheres que se reencontram com sua sexualidade após os 65 anos em duas categorias: “A primeira é a do “ninho vazio” – aquela mulher que terminou de criar os filhos, adolescentes e estudantes universitários, e estes já saíram de casa.Se antes estavam sobrecarregadas pela agitação doméstica, ocupadas em levar as crianças para lá e para cá ou preocupadas com que alguma delas a surpreendesse fazendo amor com seu parceiro, agora estão comemorando as possibilidades oferecidas por esta última fase da vida.
Essas mulheres e seus parceiros estão geralmente aposentados, mas ativos e conectados com o mundo exterior por meio de dispositivos modernos e redes de comunicação. Mas, principalmente, eles estão relaxados.”Uma mulher me disse que, pela primeira vez, fez sexo na cozinha e estava experimentando um vibrador”, disse Krasnow. A outra categoria é a viúva. A mulher que foi casada por 55 anos e cuja vida sexual passou de ardente a aborrecida e, finalmente, a inexistente. A que cuidou de seu marido doente por dez anos e o viu morrer.”Agora essa viúva conhece outro viúvo – jogando golfe ou cartas – e os dois começam a trocar carícias de formas que nunca fizeram. Isso torna-se o melhor sexo de suas vidas”, disse ela.Um aspecto importante é a boa saúde, conseguida através de atividade e dieta adequadas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s