É a saúde que lucra quando você pega a estrada

Uma escapada divertida é só o que muita gente espera quando tira férias. Porém, pesquisas mostram que esses viajantes também experimentam diversos e inesperados benefícios dessas aventuras.

A pesquisa descobriu que 81% deles perceberam melhoras na saúde e no bem-estar durante as viagens. Ao voltarem para casa, eles também se sentem melhor: 73% acusam pelo menos um impacto positivo no seu dia a dia.

Muitos idosos, de fato, revelam sentir-se melhor mental e fisicamente não apenas durante e depois da viagem, mas até mesmo antes. Planejar uma viagem é algo positivo para 86%, em média, deles, que dizem se sentir felizes, motivados e relaxados.

Essas descoberta foi revelada por uma pesquisa com 1.500 idosos americanos, promovida pela AARP. Os resultados mostram que embora as pessoas não marquem as viagens pensando em outros prazeres, elas aproveitam bem os benefícios à sua saúde.

Resultados inesperados. Os benefícios mais comuns à saúde apontados na pesquisa dizem respeito ao descanso e à diversão, que compõem 72% das respostas. Outros fatores de relevo se referem aos bons momentos vividos em família e com amigos (67%) e a fuga da rotina diária (63%). Os benefícios à saúde duram em média três ou quatro semanas após a viagem; há melhora acentuada nas relações com entes queridos por seis meses.

Enquanto o desejo de pegar estrada se limita a ganhar o mundo, a pesquisa aponta muitos benefícios nos quais esses viajantes não pensaram ao planejar a escapada. Entre eles estão as noites melhor dormidas (51%), mais energia (50%), maior produtividade (46%) e melhor clareza de raciocínio (45%).

Mas, e a ressaca pós-viagem? Para alguns, adaptar-se à vida normal leva algum tempo. Cerca de 20% dizem se sentir cansados após uma boa viagem, mas por pouco tempo – mais ou menos uma semana, apenas. Metade dos sessentões ou setentões disseram nada sentir na saúde depois  da volta para casa.

Bem-estar é subproduto. O interessante é que o bem-estar não era um dos objetivos da viagem. Quando esses idosos planejam tudo e pegam a estrada, menos de um terço deles (31%) inclui nos planos qualquer atividade física, enquanto 53% dos “millenials”, com idades entre 21 e 37 anos, e 40% dos Gen-Xers (de 38 a 53) o fazem. Os mais idosos, que incorporam atividades saudáveis à viagem alegam que se trata de efeito positivo colateral. Só 9% deles viajaram com esse objetivo .

Quanto a tipos específicos de benefícios físicos, comparados a outros tipos de  bem-estar, como emocionais, mentais ou espirituais, 66% responderam que o bem-estar físico foi parte importante da viagem, e 40% disseram que o bem-estar físico foi o maior benefício da experiência. As modalidades reportadas por eles foram as caminhadas (63%), ciclismo (26%), natação (24%), uso de spas (20%). (Vicki Gelfeld)