A capacidade para o trabalho após os 50 anos

modern-mature-woman-shopping-online-home-senior-doing-33917221

O Dr. Julio Abramczyk revelou em sua coluna publicada na Folha de S. Paulo que testes afirmam não haver diferença de desempenho entre trabalhadores com 50 anos e mais e outros trabalhadores abaixo dessa idade. “A dificuldade para conseguir emprego aos 50 ou mais anos de idade é reconhecida em todas as atividades”, afirma o colunista.

“No entanto, o ICT (Índice de Capacidade para o Trabalho) indica desempenho similar, isto é, sem diferença, em testes realizados comparando trabalhadores acima dos 50 anos e pessoas abaixo dessa idade, segundo uma pesquisa publicada no periódico Brazilian Journal of Physical Therapy”.

“O estudo “Índice de capacidade para o trabalho e capacidade funcional em trabalhadores mais velhos”, de Rosemeire S. Padula e colaboradores da pós-graduação em fisioterapia da Unicid (Universidade Cidade de São Paulo), aponta que o número de doenças e medicamentos regularmente usados foi maior entre os trabalhadores mais longevos.”

“Entretanto, condições de saúde desfavoráveis parecem não afetar a capacidade deles para o trabalho.”

“Os trabalhadores mais velhos participantes do estudos eram casados, mais escolarizados e tinham maior renda, uma relação direta e positiva para a capacidade de trabalho, asseguram os autores”.

“A explicação: em todas as profissões, aquelas pessoas com mais anos de estudo e maior renda têm experiência profissional mais rica, demonstram melhor desempenho intelectual e também têm melhor saúde”.

“Os mais pobres e menos escolarizados apresentam tendência para maior fragilidade biológica e psicológica `a medida que envelhecem”. (Julio Abramczyk, in Folha de S. Paulo de 01/02/2014).

Lições de uma mulher desiludida

Simone (Lucie-Ernestine-Marie Bertrand) de Bea...

Simone (Lucie-Ernestine-Marie Bertrand) de Beauvoir  – 100 anos (Foto: * starrynight1)s.

Na era das celebridades instantâneas e fugazes (e vazias) não deixa de ser difícil compreender como uma dupla pôde obter a fama e manter-se célebre (com consistência) por mais de 50 anos.Pois foi o caso de Simone de Beauvoir e de seu companheiro, Jean-Paul Sartre. Ela, escritora e ensaísta de peso; ele, escritor, dramaturgo e um dos mais importantes filósofos do século passado.

Do relacionamento entre eles, a história conservou a aura mítica de seus engajamentos políticos e sociais e o protótipo de uma relação sentimental aberta. Companheiros por décadas, Sartre (1905-80) e o Castor, o apelido com que tratava Beauvoir (1908-86), viajaram juntos pelo mundo, mas jamais compartilharam o mesmo teto em Paris, onde viviam.

E, mesmo que um escutasse e solicitasse do outro comentários e avaliações dos próprios escritos, a influência de fato foi afetiva e sentimental. Tal como valia para a vida, a regra “juntos, mas não sob o mesmo teto” aplicava-se com rigor também às respectivas obras.

No caso de Beauvoir, que aqui é o que interessa, sua produção literária e ensaística amplia-se e repercute após a Liberação, com o fim da Segunda Guerra e da ocupação nazista da França.

Seu texto mais difundido, “O Segundo Sexo”, data de 1949. Não muito depois, em 1954, ela é agraciada com o Goncourt (o mais importante prêmio literário francês) por “Os Mandarins”.

Em seus escritos, como de praxe nos representantes do chamado existencialismo francês, vida e obra formam um amálgama.

Não se deve confundir, porém, a incorporação literária de biografemas por esses autores com o exercício da autoficção, hoje difundido numa certa literatura.

Àqueles interessava transmitir, por meio do texto, um “estar no mundo”, uma experiência que passa necessariamente pelo sujeito (que a vive e a expressa para outros sujeitos que prezam a vida do ponto de vista de seus compromissos, dívidas e angústias). Enquanto aos praticantes da modalidade exibicionista da autoficção o mundo não interessa além do próprio umbigo.

As três novelas reunidas no volume “A Mulher Desiludida” tomam a fundo essa prioridade do vivido. Ademais, seus temas incorporam de maneira mais fluida as teses biográficas (no sentido de relativas à vida, não apenas à pessoa) expostas por Simone de Beauvoir em “O Segundo Sexo” e em “A Velhice” (publicado em 1970, dois anos apenas após “A Mulher Desiludida”).

O título da primeira novela, “A Idade da Discrição”, flerta com o célebre romance “A Idade da Razão”, de Sartre. Nela, uma senhora ensaísta dialoga com a vida passada e o cinzento futuro anunciado com a chegada do que hoje se chama “terceira idade”.

O ponto de confluência é a crise: do corpo cansado, da obra superada e da paixão realizada. Mas não se trata de crise que prenuncia a ruína e, sim, de um fracasso capaz de renovar a esperança. Beauvoir resume ambiguamente ao citar a fórmula de Sainte-Beuve: “Endurecemos em alguns lugares, apodrecemos em outros, não amadurecemos nunca”.

Na segunda novela, “Monólogo”, trata-se de uma operação de vingança realizada por meio da escritura. A estrutura é a do fluxo de consciência e, com ele, a pontuação caótica permite vazar sem pudores a fúria de uma anti-heroína que acusa a vida de não tê-la permitido viver. Sublime!

A terceira novela, que dá título ao volume, toma do diário sua forma. E capta, através das grades da prisão subjetiva, o drama de uma mulher abandonada pelo marido por outra. Em sua obsessão, emerge a confissão de uma servidão voluntária, da submissão a ideais femininos que Beauvoir se aprimorou em destruir.

Pois, de “O Segundo Sexo” a “A Cerimônia do Adeus”, o empenho principal de Beauvoir foi o de construir uma nova identidade, sobretudo feminina, mas comum a todos na exigência da liberdade.