Ver a velhice sob a ótica das humanidades traz esperanças

      “O médico que apenas sabe medicina, nem medicina sabe”, dizia o português Abel Salazar, que foi médico, artista plástico e crítico de arte.

      A compreensão do envelhecimento e o preparo para lidar com pessoas idosas exigem do profissional da saúde mais do que o domínio do conteúdo técnico dos tratados. Para o público leigo, o texto explicativo de cartilhas e afins não basta. Um olhar mais amplo se impõe para a percepção da experiência de ser idoso.

      As humanidades trazem uma contribuição essencial para reflexões sobre a velhice. São memoráveis as linhas traçadas por um Pedro Nava que se descobre velho perante o espelho em “Galo-das-Trevas” e descreve em detalhes alterações da anatomia do próprio rosto, em que um processo de desbarrancamento provocou a “queda dos traços e das partes moles deslizando sobre o esqueleto permanente”.

      Ainda na literatura, o que dizer da aparição derradeira de Nathan Zuckerman, escritor criado por Philip Roth, em “Fantasma Sai de Cena”? O sátiro personagem, já septuagenário, acometido de uma incontinência urinária que o constrange, escolhe a ficção como meio para elaborar uma paixão inacessível. É o triunfo da imaginação sobre as insuficiências do físico.

      O cinema também é pródigo em possibilidades de exploração. “A Canção da Estrada”, do indiano Satyajit Ray, convida a um duro passeio pela velhice na pobreza, situação na qual as redes sociais e a solidariedade exercem papel fundamental.

      No âmbito europeu, o filme “Amor”, de Michael Haneke, desponta como um retrato cru da velhice rica contemporânea, marcada pelo distanciamento entre as gerações e pela sobrecarga do cuidador familiar.

      O diretor, em uma de suas provocações habituais, assina diálogos que mencionam um médico que jamais aparece. Ao negar ao médico o protagonismo esperado, a mensagem é clara: as respostas para a questão da velhice estão para além da intervenção profissional.

      A emoção aflora diante dos autorretratos de Rembrandt, sobretudo daquele pintado no ano de sua morte (1669), aos 63 anos. O artista sustenta o olhar do observador da tela, sem disfarçar rugas ou cabelos brancos, com expressão sóbria. Não há espaço para autocomplacência. Rembrandt limita-se a expor sua velhice como ela é.

      Ricardo Cruz, vítima da infame falta de responsabilidade com que se trata a pandemia no Brasil, era um entusiasta do ensino das humanidades, que também incluem antropologia e filosofia, entre outros campos do conhecimento.

      Elas apontam o caminho para que se exerça um necessário exercício de alteridade. Ao nos colocarmos no lugar da pessoa idosa, conseguimos entender e admitir o complexo panorama de (im)possibilidades associado à velhice. Somente a partir de então torna-se factível a prática do cuidado, via de mão dupla que envolve dois atores sociais.

      Fica a expectativa de que o ano que ora se inicia seja mais ameno que o torpe 2020. Sob os auspícios de Abel Salazar, com o tempero do olhar das humanidades, renovam-se esperanças de aliar competência técnica e disposição humanista no cuidado holístico que todas as pessoas idosas merecem receber.(Daniel Azevedo, Folha de S. Paulo)

Author: sebastiaoaguiar

Newsman and Writer My career in Journalism has led me to increasingly specialize in editing and writing for some of Brazil’s major nationwide newspapers and magazines issued from São Paulo and Rio de Janeiro. In about 50 years in the press area, I have been a reporter, a copydesk, editor, senior editor and editor in chief, as well as public relations, press agent, media official to the State of São Paulo and the Federal Goverment, author and ghost writer to officials and other authors. Throughout these years I have been lucky enough to travel to many places, since I was the travel editor for Folha de S. Paulo newspaper for more than three years, and the press chief in Embratur, the federal bureau for the travel industry in Brazil, not to mention many other media vehicles I have worked for.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.